Mendonça TB, Lummertz AP, Bocaccio FJ, Procianoy F. Effect of Low-Concentration, Nonmydriatic Selective Alpha-Adrenergic Agonist Eyedrops on Upper Eyelid Position. Dermatol Surg. 2017;43(2):270-274. doi:10.1097/DSS.0000000000000967

Com frequência recebo ligações e mensagens de dermatologistas pedindo sugestões para o manejo da ptose pós aplicação de toxina botulínica. Como este é um quadro autolimitado, geralmente é proposto o uso da Apraclonidina – um colírio alfa adrenérgico que atua no músculo de Muller provocando uma elevação temporária da pálpebra superior. Importante ressaltar que o objetivo é apenas reduzir temporariamente de forma medicamentosa a ptose, e não acelerar a sua recuperação natural. Como a Apraclonidina não é disponível no Brasil há muitos anos, costumava-se orientar o uso de outros colírios com efeito adrenérgico em baixa concentração (não midriática) como os vasoconstritores ou alfa agonistas seletivos como a Brimonidina (anti-glaucomatoso). Nunca tive muita convicção sobre qual seria a melhor alternativa entre as disponíveis. Para responder a esta questão, realizamos este estudo comparando o efeito da Brimonidina 0,2%, Nafazolina 0,05% e Fenilefrina 0,12% na abertura palpebral. Curiosamente, a Fenilefrina e a Brimonidina nas concentrações testadas não apresentaram efeito perceptível na abertura palpebral. Já a Nafazolina induziu um aumento médio do MRD1 de 0,56mm 30 minutos após a instilação, que se reduziu para 0,47mm após 60 minutos e 0,26mm após 120 minutos. Baseado nestes resultados, tenho orientado que nos casos de ptose palpebral pós toxina seja utilizada a Nafazolina 0,05%, preferencialmente imediatamente antes de situações de exposição social ou que o paciente deseje uma redução da assimetria, uma vez que a magnitude do efeito é limitada e ocorre uma redução significativa entre 1 e 2 horas da aplicação.

Dr. Fernando Procianoy

Dr. Fernando Procianoy

CRM-RS 26375

Artigos Científicos Comentados

An objective tool to measure the effect of botulinum toxin in blepharospasm and hemifacial spasm

Comentado por:
Midori Hentona Osaki

Orbicularis oculi morphological alterations in affected and non-affected sides in hemifacial spasm

Comentado por:
Midori Hentona Osaki

Immunohistochemical investigations of orbital infantile hemangiomas and adult encapsulated cavernous venous lesions (malformation versus hemangioma)

Comentado por:
Tammy Hentona Osaki

Analysis of blink activity and anomalous eyelid movements in patients with hemifacial spasm

Comentado por:
Tammy Hentona Osaki

Clinical and Radiological Evaluation of Periocular Infantile Hemangioma Treated With Oral Propranolol: A Case Series

Comentado por:
Maria Antonieta Ginguerra

Short-Incision Midface-Lift in Lower Blepharoplasty

Comentado por:
Roberto Limongi

Avanço do Músculo Frontal/Orbicular para correção da Ptose Palpebral: Revisão sistemática da literatura

Comentado por:
Patricia Akaishi

Frontalis Linkage Without Intraoperative Eyelid Elevation for the Management of Myopathic Ptosis

Comentado por:
Stefânia B. Diniz

A Comparative Study of Clinical vs. Digital Exophthalmometry Measurement Methods

Comentado por:
Allan Pieroni

Comentários a respeito da técnica de Rodriguez Barrios utilizada em Oculoplástica para a Correção da Exposição dos Implantes Orbitários

Comentado por:
Eduardo Jorge Carneiro Soares

Orbital inflammatory disease secondary to a single-dose administration of zoledronic acid for treatment of postmenopausal osteoporosis

Comentado por:
Fernando Procianoy

Characterization of Normal Mediolateral Angular Direction of Lower Eyelid Eyelashes in Different Age Groups

Comentado por:
Fernando Procianoy

Effect of Low-Concentration, Nonmydriatic Selective Alpha-Adrenergic Agonist Eyedrops on Upper Eyelid Position

Comentado por:
Fernando Procianoy

Intra and interobserver reliability of a modified distraction test based on digital images to assess lower eyelid horizontal tension

Comentado por:
Fernando Procianoy

Effects of Muller’s muscle-conjunctival resection for ptosis on ocular surface scores and dry eye symptoms

Comentado por:
Bruna Rymer

Mitomicina tópica em sondagem assistida por endoscópico para o tratamento da obstrução de duto nasolacrimal congênita em crianças

Comentado por:
Silvana A. Schellini